Quanto maior a pressão no mundo dos negócios, mais a capacidade de suportar pressões e retornar rapidamente ao equilíbrio é valorizada. Isso é resiliência e consiste na capacidade de atravessar experiências adversas sucessivas sem comprometer nossa condição de prosseguir e nos desenvolver.


Essa postura requer energia e equilíbrio emocional e, portanto, autoestima e autoconfiança.





Nosso de resiliência é uma consequência da boa estruturação de nosso uni verso interior e depende dos vínculos que estabelecemos com a vida e com as pessoas mais significativas que dela participam.


A vida nos coloca frente a frente com situações adversas e, muitas vezes, traumáticas. Por isso, as pessoas que desenvolvem comportamentos vencedores conseguem transformar dificuldades em oportunidades de crescimento e prosseguir em situações em que as demais costumam ficar emocionalmente abaladas. Ser resiliente é superar dores e dificuldades, extrair lições dos sofrimentos e seguir fortalecido. Quanto maior for nosso nível de consciência, maio res serão nossas possibilidades de agir assim.


Em vez de ficarmos focados no que a vida está fazendo conosco, devemos nos dedicar a compreender o que podemos fazer com o que a vida está nos oferecendo.


O mundo é dos fortes! E fortes são aqueles que superam corajosamente as dificuldades e obstáculos, recomeçando e aprendendo continuamente, sem jamais esmorecer.


Quanto maior for nossa resiliência, maiores serão nossas condições para o desenvolvimento pessoal e profissional, a motivação e a capacidade de superar situações tensas e complexas.


Como dizia Machado de Assis: "A arte de viver consiste em tirar o maior bem do maior mal".


Existe uma importante diferença entre escutar e ou vir. Em geral, ouvimos muito, mas escutamos pou co. Ouvir é função da audição - podemos ouvir, mas não prestar atenção. Se logo depois de ouvir algo não conseguimos reproduzir a mensagem, ouvimos, mas não escutamos. Quem escuta, ouve, mas quem ouve não necessariamente escuta. Daí o ditado popular: "Entrou por um ouvido e saiu pelo outro".


Escutar dá trabalho porque consiste em ouvir com atenção e demanda concentração, interpretação, avaliação e reação. Escutar é "ouvir atentamente"; portanto, é um processo seletivo. Escutamos com maior facilidade aquilo que nos interessa, e desconsideramos (ouvindo sem escutar) aquilo que julgamos desnecessário, contrário aos nossos interesses, ou que não nos cativa.


Escutar requer um esforço consciente. Para escutar bem, devemos valorizar o que os outros têm a dizer e prestar total atenção ao que está sen do dito (inclusive nas "entrelinhas"). Como dizia Peter Drucker: "O mais importante é escutar o que não está sendo dito".


Falta de humildade (acreditar que sabemos tudo sobre o tema), arrogância (acreditar que não ganhamos nada em ouvir o outro), concentração deficiente, preconceitos e distrações prejudicam gravemente nossa capacidade de escutar.


Não interrompa o outro e não comece um "diálogo interior" antes de escutar tudo atenta mente. Se começar a defender internamente seu ponto de vista enquanto o outro fala, passará somente a ouvi-lo e deixará de escutá-lo. Não pre julgue o que está escutando. Escute tudo primeiro, depois reflita, e só então tire suas conclusões. Certifique-se de que escutou e não apenas ouviu, cheque os pontos mais importantes, verifique o que você absorveu de fato.


Saber escutar tem impacto decisivo na car reira e na qualidade dos relacionamentos. Pessoas que têm dificuldade em escutar apresentam sempre menor produtividade no trabalho e dificuldades nos relacionamentos. Saber escutar é uma grande virtude e uma competência essencial!